Publicidade
especiais | bovinos/grãos/máquinas
27/11/2015
Produção de leite tem retração de 9% no faturamento
Preço pago aos produtores do Oeste registrou quedas consecutivas de junho de 2014 a março de 2015, com variação acumulada negativa de 24,5%
A queda de faturamento na produção de leite reduziu a margem de lucro em algumas bacias leiteiras do país. Na região de Cascavel, no Oeste do Paraná, a retração foi de 9% no acumulado de janeiro a agosto deste ano quando comparado com o ano passado, enquanto os custos de produção subiram até 3%. Uma das razões para o cenário foi a menor receita obtida com a venda do produto, em razão de quedas consecutivas no preço do litro pago ao produtor.
A análise está no Boletim Ativos do Leite, publicação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), divulgado ontem (26). 
Segundo dados do Cepea, o preço do leite pago ao produtor do Oeste do Paraná registrou quedas consecutivas de junho de 2014 a março de 2015, apresentando variação acumulada negativa de 24,5% em termos reais, deflacionando-se pelo IPCA de julho de 2015.
Segundo o estudo, com o a queda de faturamento e a alta nos custos, a margem bruta do pecuarista caiu, em média,19% em uma propriedade típica de Cascavel. Os preços pagos ao produtor neste ano estão 7,4% inferiores aos verificados em 2014.
“Ainda que os preços tenham reagido,em decorrência do período de entressafra, os patamares continuam abaixo dos verificados há um ano, uma vez que a demanda não acompanhou o aumento da produção”, explica o documento. 
Do lado dos custos de produção, o item que mais pesou foi a mão de obra, com elevação de 8,2%, seguido pela silagem (6,3%) e energia e combustível (3,3%).
Destaque na produção
O município de Cascavel é um importante produtor de leite do Estado, com uma produção modal média de 1,2 mil litros/dia. Segundo números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, a bacia leiteira da região representou 23,9% da produção estadual, que,desde 2003, cresceu expressivos 81,6%. 
“Os dados negativos de margem do pecuarista chamam atenção para a necessidade de melhorias na gestão da propriedade, permitindo diagnósticos prévios de possíveis falhas estruturais e planejamentos futuros. Tais medidas são importantes para maximizar a rentabilidade e a eficiência com os menores custos possíveis, a fim de assegurar a lucratividade da atividade em médio e longo prazo”, conclui o documento.

Fonte: CNA
« Voltar
Publicidade
VEJA TAMBÉM
Produção de leite tem retração de 9% no faturamento
Preço pago aos produtores do Oeste registrou quedas consecutivas de junho de 2014 a março de 2015, com variação acumulada negativa de 24,5%...
27/11/2015
Alta umidade alerta para ferrugem asiática no Paraná
Em lavouras de Corbélia e Cascavel, no Oeste, chuva de granizo destruiu as plantas de diversas propriedades...
26/11/2015
Prazo para vacinação contra febre aftosa termina segunda
Imunização de todo rebanho bovino e bubalino deve ser comprovada até o dia 30 de novembro. Produtores que não cumprirem o prazo estão passíveis de notificação e multa ...
26/11/2015
PRÓXIMOS EVENTOS
+ mais
Publicidade
Editora O Presente Ltda | Fone/Fax: (45) 3254-1842